Dicas de Viagem

Tiritiri Matangi: Paraíso para a observação de aves pertinho de Auckland

4

Após um intensivo e pioneiro programa de recuperação ambiental desenvolvido ao longo das últimas 3-4 décadas. A ilha de Tiritiri Matangi na região do Hauraki Gulf em Auckland pode ser considerada hoje, um dos mais bem sucedidos programas de recuperação ecológica da Nova Zelândia.

Tiritiri Matangi em Auckland - Vista para Rangitoto Island

Abrigando algumas das mais belas, raras e cantantes espécies de aves da Nova Zelândia, Tiritiri Matangi é uma ilha de aproximadamente 220 hectares que por inúmeras décadas foi utilizada para a criação extensiva de ovinos e ao longo desse período, viu sua cobertura vegetal original ser quase que completamente suprimida, juntamente com a sua fauna original local.

Tiriti

Localizada a pouco mais de 30 km ao norte do centro de Auckland, em meio ao Golfo de Hauraki, Tiritiri Matangi deixou de ser utilizada na criação de ovinos há cerca de 50 anos e foi transformada, graças ao trabalhos de centenas de voluntários num verdadeiro paraíso para a observação de aves nativas.

Farol em Tiritiri Matangi em Auckland

Pouca gente sabe disso, mas até a chegada dos primeiros habitantes polinésios também conhecidos como Maoris há cerca de 600-700 anos atrás. A Nova Zelândia era um ambiente exclusivamente dominado pelas aves e algumas poucas espécies de répteis e anfíbios. Pelo fato deste ecossistema ter evoluído isolado do resto do mundo e praticamente sem predadores naturais, muitas das espécies de aves endêmicas da Nova Zelândia acabaram perdendo a habilidade do vôo.

Tiritiri Matangi
Takahe (Porphyrio hochstetteri)

Com a chegada do homem e posterior introdução de predadores exóticos (leia-se mamíferos), muitas das espécies nativas da Nova Zelândia logo se tornaram presa fácil para os animais trazidos pelo homem de outras partes do planeta. Um dos casos mais infames da extinção de uma espécie pela ação direta e indiscriminada do homem foi a caça dos Moas.

Tiritiri Matangi
Kereru (Hemiphaga novaeseelandiae)

Os Moas eram aves gigantes um pouco parecidas com as emas e avestruzes de hoje em dia, só que elas chegavam a medir até 3.6 metros de altura e podiam pesar até 250 kg. Por serem uma fonte abundante de proteína e relativamente fácil de ser capturada, a população de Moas não resistiu à chegada dos Maoris e desapareceu infelizmente por completo antes mesmo da chegada dos primeiros europeus no século XVIII.

Kokako em Tiritiri Matangi em Auckland
Kōkako (Callaeas wilsoni)

 Porém foi a ação indireta do homem, através introdução maciça de predadores exóticos especialmente mamíferos (ratos, furões, gatos, possums, doninhas, coelhos e afins), que representaram uma verdadeira calamidade ao frágil ecossistema neozelandês. Sobretudo após a descoberta da Nova Zelândia pelos Europeus no século XVIII.

North Island Saddleback em Tiritiri Matangi em Auckland
Tīeke (Philesturnus rufusater)

Embora os Maoris tenham dado fim nas 9 espécies de Moas gigantes que outrora habitavam essas bandas, foi a introdução de animais domésticos e de outros animais trazidos pelos europeus, ocorrida a partir do século XVIII, que fez com que pelo menos 51 espécies de aves endêmicas da Nova Zelândia fossem perdidas para sempre.

Tui em Tiritiri Matangi em Auckland
Tūī (Prosthemadera novaeseelandiae)

E justamente, tentando reverter este alarmante e contínuo processo de destruição das populações nativas de aves, que há cerca de 3-4 décadas a Nova Zelândia iniciou um programa intensivo para salvar várias de suas espécies nativas de aves e repteis em sério risco de extinção. A situação é tão complicada que até mesmo o Kiwi, a ave símbolo da Nova Zelândia, estava (ainda está) fadado a desaparecer da face da terra.

North Island Tomtit em Tiritiri Matangi em Auckland
Miromiro (Petroica macrocephala)

Dentre as várias estratégias conservacionistas adotadas para tentar salvar as espécies nativas, pouquissimas foram tão efetivas como o que podemos testemunhar visitando Tiritiri Matangi nos arredores de Auckland.

Hihi (Notiomystis cincta)

Esta ilha de 2.2 km2 fora utilizada ao longo de quase 120 anos para pecuária de ovinos, viu aproximadamente 94% de toda sua cobertura vegetal original foi destruída para dar lugar as pastagens. Com a perda da cobertura vegetal, mais de 90% das espécies de aves que outrora viviam na ilha simplesmente desapareceram do local. Tecnicamente, apenas as aves marinhas conseguiram se manter na costa ilha. As outras migraram para outras ilhas do golfo, ou simplesmente sucumbiram à destruição de seu habitát natural.

Oyster Catcher (Haematopus unicolor)

A degradação do ambiente chegou a um ponto tão crítico que nem mesmo a pecuária era mais economicamente viável e na segunda metade do século passado a ilha foi literalmente “abandonada”.  Porém graças aos esforços do Departamento de Conservação da Nova Zelândia, em 1969 a área foi transformada em uma reserva recreacional e um intensivo e audacioso programa de recuperação ambiental  foi colocado em prática visando transformar a ilha num santuário da vida selvagem.

Pukeko (Porphyrio porphyrio)

Com o auxílio de um verdadeiro batalhão de voluntários, mais de 280 mil mudas de árvores e arbustos nativos foram plantados na ilha. Tanto que hoje, aproximadamente 65% da ilha é coberta por floresta nativa plantada entre 1984-1994 que aos poucos entra para um estado mais avançado de sucessão florestal. Já os outros 35% foram matidos como área de campo que aos poucos começa a dar lugar a sucessão vegetal.




Korimako ( Anthornis melanura)

Além do plantio maciço de árvores e arbustos nativos, a ilha passou por um complexo programa de erradicação total de animais exóticos introduzidos pelo homem, onde além de um verdadeiro pente fino para eliminar absolutamente todos os mamíferos, foi instalado um “sofisticado” sistema de armadilhas para monitorar e literalmente matar qualquer animal intruso não desejado.

Kākāriki (Cyanoramphus novaezelandiae)

E apenas após a ilha ser finalmente considerada 100% pest free em meados da década de 90, é que várias espécies de aves, algumas delas em sério risco de extinção, foram re-introduzidas com sucesso no local.

Pūtangitangi (Tadorna variegata)

E a medida que o tempo tem passado e o ecossistema maturado, os resultados tem sido extremamente positivos. Tanto que hoje o trabalho feito en Tiritiri Matangi é replicado em outras áreas do país e do mundo. E mais que apenas um santuário, é um local bacana para fazer Bird Watching, e um poderoso lembrete que ainda podemos consertar aquilo que estragamos no planeta em que moramos.

Koru em Tiritiri Matangi em Auckland

O modelo de restauração ambiental adotado em Tiritiri Matangi logo passou a ser copiado em outras ilhas ao longo da costa da Nova Zelândia e até mesmo em outros lugares do mundo. Hoje estas ilhas “pest-free” especialmente aquelas chamadas de Off-shore Islands podem ser a única chance de sobrevivência para várias espécies nativas em elevado risco de extinção.

Manuka em Tiritiri Matangi em Auckland

Em Tiritiri Matangi, além de muitos passsarinhos, vários kms de trilhas e belíssimas praias, o visitante pode conhecer (por fora) o mais antigo farol ainda em funcionamento na Nova Zelândia.

Farol em Tiritiri Matangi em Auckland

Construído em 1864 ele foi por muito tempo o farol mais potente do hemisfério sul, capaz de ser visto a uma distância de 64Km. Hoje ele é totalmente automatizado e seu alcance diminuído em menos da metade do que ele costumava ser. Ainda assim, importantíssimo para o tráfego marítimo do Hauraki Gulf e Porto de Auckland.

Deixando Tiritiri Matangi em Auckland

.

Informações Úteis para quem visita Tiritiri Matangi:

Tiritiri Matangi é aberta a visitação pública porém tem um limite diário máximo de 150 pessoas. Para chegar até a ilha você precisa pegar um ferry operado pela 360 Discovery Cruises que parte tanto do Auckland Ferry Building no centro da cidade, como do píer da Gulf Harbour no North Shore.

Entre Dezembro e meados de Janeiro a frequência do ferry é diária, no restante do ano o ferry para Tiritiri Matangi funciona de Quarta à Domingo e nos feriados públicos.

Em Tiritiri Matangi não existe comida para comprar, você precisa vir preparado. Não esqueça de levar protetor solar, óculos de sol, boné, câmera fotográfica, binóculo para ver os pássaros, e roupa adequada para as condições do dia (capa de chuva e afins) e água para se manter hidratado. Perto do farol da ilha existe uma lojinha/café que vende café, chá e água, mas quantidades são limitadas, então não confie muito nisso.

Uma vez chegando na ilha, você deve aguardar o briefing de um dos rangers do parque. Depois disso, você está livre para explorar a ilha por conta própria, ou pode ir num tour guiado de aproximadamente 1 hora e ½ de duração com um voluntário da ilha (custa 5 NZD).  Para quem visita o local pela primeira vez, recomendo a segunda opção.

Para aqueles que realmente curtem Birdwatching e tem certo senso de aventura, é possível pernoitar na ilha, fazendo a reserva de um beliche junto ao Departamento de Conservação e que custa 30NZD por noite. Maiores informações aqui.

Mapa de Tiritiri Matangi Island
Mapa de Tiritiri Matangi Island

Horário do Ferry para Tiritiri Matangi:

 Saída:

Auckland Ferry Building: 09:00

Pier Z da Gulf Harbour Marina 09:45

Tiritiri Matangi: 15:30

Retorno:

Chegada no Pier Z da Gulf Harbour Marina 16:00

Chegada no Auckland Ferry Building: 16:45


Você lembrou do seguro viagem? Ele é um dos itens mais importantes da sua viagem. O seguro viagem é obrigatório nos países da Europa que fazem parte do Tratado de Schengen e precisa ter uma cobertura mínima de 30 mil Euros. Nos demais países em que ele não é obrigatório também é recomendável a contratação, já que infelizmente não podemos prever acidentes. Nos Estados Unidos, o custo médico diário de uma internação é muito caro (uns U$2.000). Não esquecendo que o seguro é muito útil nos casos de cancelamento de viagem, extravio de bagagem e assistência odontológica. Faça sua cotação para encontrar o seguro que você precisa. Você pode pagar em até 12x no cartão ou ter desconto no boleto. Nossos leitores ainda recebem um desconto de 5% na hora de pagar. Use o código promocional: VIAJOTECA5.

Comparar

CONTINUE PLANEJANDO SUA VIAGEM AQUI :

–  Reserve seu hotel no Booking.com ( sem taxa de reserva e a maioria dos hotéis oferece cancelamento grátis)

–  Compre seu seguro de viagem na Seguros Promo (faz cotação em 10 ótimas seguradoras)

–  Agende suas excursões e passeios com a Get Your Guide

–  Alugue seu Carro com a RentCars

–  Índice com todos os posts do Viajoteca

Se você fizer sua reserva através dos links aqui da Viajoteca, a gente ganha uma comissão, mas você não paga nada a mais por isso. Essa é uma forma de apoiar a Viajoteca a continuar escrevendo sempre ótimas dicas para você. Obrigada!


4 Comentários
  1. Lia Nascimento Diz

    Fantástico!!!

    Muito bom que eles estão fazendo isso para preservar as espécies ameaçadas de extinção. Obrigada por compartilhar

    1. Oscar Augusto Risch Diz

      Eu concordo!! Eu acho super legal fazer observação de aves e a NZ nesse quesito é uma paraíso..
      Obrigado pela visita

      Abs

  2. […] primeira vez que vi uma dessas casas artificiais para os pinguins azuis foi na Ilha de Tiritiri Matangi nos arredores de Auckland. Infelizmente como ambas as vezes que fui lá, só passei o dia, acabei nunca vendo eles […]

  3. […] Para aqueles que curtem fazer Birdwatching, a ilha de Rangitoto também é uma ótima pedida. Embora o melhor lugar para esta atividade nos arredores de Auckland ainda continue sendo Tiritiri Matangi. […]

Comente Aqui