Subindo o Monte Kilimanjaro

3

Como a viagem “Subindo o Kilimanjaro” começou

Em meados de 2011 um colega me ligou no meio da tarde, no escritório. Ele trabalhou comigo em projetos de consultoria no passado, e ele e a esposa costumam viajar pelo mundo subindo montanhas. Na verdade a esposa é que é a alpinista do casal, ele acompanha e dá apoio logístico, indo ao topo muitas vezes. Eles haviam ouvido falar que eu subi o monte Rainier nos EUA no ano anterior, e queriam saber se eu queria acompanhá-los ao Kilimanjaro, na Tanzânia, em 2012.

No momento, eu fiquei mais apreensivo pela viagem ser no interior da Tanzânia do que pela montanha em si! Veja bem: 50% do pais é cristão e 50% muçulmano, a cidade grande mais próxima é Nairóbi, absolutamente ninguém fala inglês (e eu não falo kiswahili…), imagina ter um problema médico e ser evacuado para um hospital no Quênia (o país vizinho que contém uma infraestrutura muito mais avançada do que a Tanzânia rural) – enfim, todas as coisas que podem dar errado em uma viagem à um canto remoto do planeta. Então, logicamente, eu disse SIM!

Jambo Bwana!

Rafa Etges no Kilimanjaro, Tanzania
A Tanzania é um país pacato, com belezas naturais e um povo muito amigável.

Qual empresa contratei para essa aventura…

A empresa que organiza a logística toda se chama Berg Adventures International, baseada em Calgary (província de Alberta no Canadá) e operada pelo Wally Berg que é uma lenda viva do alpinismo, tendo conquistado o Everest várias vezes e escalado em todos os continentes – incluindo o monte Vinson na Antártica.

Por sinal, o Wally é casado com uma brasileira, a Leila Silveira, que depois descobri que morou a duas quadras de nós no Rio – pois é, REALLY??? A Leila nos encontraria em Arusha, nossa base na África, e de lá nos separaríamos – nós para a montanha e ela ia dirigir sozinha pela savana em busca de outros pontos de interesse para a empresa levar clientes no futuro.

Nossos guias eram todos locais, e o guia chefe falava Inglês perfeito, além de ser certificado em segurança e resgate, e ser uma enciclopédia ambulante em termos de geologia, fauna e flora.

Acampando no Kilimanjaro
Acampando no deserto de altitude, a poeira misturada com cinzas vulcânicas fazem parte da experiência!
Atravessando o Shira Plateau, Kilimanjaro
Atravessando o Shira Plateau
“Habari yako?” (Como vai?) “Nzuri, sana!” (Bem, obrigado!)
Lobelias gigantes, Kilimanjaro
Lobelias gigantes – as folhas ao invés de caírem quando mortas se unem ao tronco, ajudando a árvore à crescer.
Karanga valley, Kilimanjaro
Karanga valley – “Twende sasa!” (Let’s go now!)

Sobre a montanha…

O “Kili” é a montanha mais alta do continente africano, com 5.895 metros de altitude, e a maior montanha “livre” do mundo (ou seja, ele não faz parte de nenhuma cadeia como os Andes ou o Himalaia, dominando sozinho toda paisagem ao seu redor). Seu cume é formado pela cratera de um vulcão antigo – Kibo – no meio da savana e cercado por desertos de altitude. Nossa meta era alcançar o pico Uhuru – “liberdade” em kiswahili, e adentrar a cratera vulcânica coberta por geleiras para acampar lá por uma noite, retornando no dia seguinte.

O caminho ao topo da África é fascinante – você deixa a vila de Arusha e começa a trilhar em florestas equatoriais que lembram muito o Brasil, mas logo alcança campos de altitude e tudo muda. Ao longo dos dias a floresta vira savana, e a savana vira deserto. Existem várias rotas para alcançar o cume, e nós escolhemos a rota Lemosho por ser a mais longa, levando até 9 dias de subida. Isso é importante porque quando se sobe uma montanha precisamos dar tempo ao organismo para aclimatizar, deixando o sangue mais rico em oxigênio e aumentando a resistência ao ar rarefeito.

IMPORTANTE: No topo do Kilimanjaro respiramos apenas 50% do oxigênio que teríamos ao nível do mar, arriscando ter náuseas, tonturas e fraqueza, e problemas mais sérios. Por isso, a aclimatização era importante para nossa estratégia, e todos ficamos bem. Em todo caso os guias nos davam dicas constantemente e controlavam o nosso progresso, e a Berg providenciou um seguro que inclui regaste de helicóptero até Nairóbi para tratamentos extremos (não, ninguém passeou de helicóptero!).

No cume do Kilimanjaro, pico Uhuru
No cume do Kilimanjaro – pico Uhuru!

Como foi a subida ao Kilimanjaro

Após 9 dias atravessando cânions, desertos, barrancos e encostas, alcançamos o cume, que foi um momento emocionante… fotos e abraços, a equipe de apoio cantando para celebrar… inesquecível! Escalamos uma encosta até a cratera abaixo, acampando perto das geleiras. Foi uma noite fria (-20C, ainda mais porque sentimos mais frio em altas altitudes) mas estávamos bem equipados e aclimatizados (graças à equipe da expedição, que foi fantástica em todos os detalhes!). Na manhã seguinte começamos a descida. O engraçado é que, após toda a cautela subindo, o caminho de descida parecia cada vez mais fácil a medida que o ar ficava mais “rico” e nos sentíamos cada vez mais fortes!

Interior da cratera do vulcão, Kilimanjaro
Explorando as geleiras no interior da cratera do vulcão Kibo.
Rafa Etges no Kilimanjaro
Lar doce lar: dormindo a 19,300 pés de altitude.

A celebração final também foi perfeita: cerveja gelada, um almoço “africano” e o retorno a hotel nos Land Rovers da Berg!

Cerveja no Kilimanjaro
Retornando do parque nacional do Kilimanjaro para a vila de Arusha e a recompensa após a aventura – precisa legenda?!?!

“Asante Sana!” (Muito obrigado!)

Leia mais:
Berg Adventures International
Monte Kilimanjaro – Wikipedia:
• Livro sobre o Kilimanjaro: A Photographic Journey to the Roof of Africa – Amazon


Você lembrou do seguro viagem? Ele é um dos itens mais importantes da sua viagem. O seguro viagem é obrigatório em vários países, como Cuba, Jordânia, e principalmente os países da Europa que fazem parte do Tratado de Schengen e que precisa ter uma cobertura mínima de 30 mil Euros. Nos demais países em que ele não é obrigatório também é recomendável a contratação, já que infelizmente não podemos prever acidentes. Nos Estados Unidos, o custo médico diário de uma internação é muito caro (uns U$2.000). Não esquecendo que o seguro é muito útil nos casos de cancelamento de viagem, extravio de bagagem e assistência odontológica. Faça sua cotação para encontrar o seguro que você precisa. Você pode pagar em até 12x no cartão ou ter desconto no boleto. Nossos leitores ainda recebem um desconto de 5% na hora de pagar. Use o código promocional: VIAJOTECA5.

Comparar

CONTINUE PLANEJANDO SUA VIAGEM AQUI :

–  Reserve seu hotel no Booking.com ( sem taxa de reserva e a maioria dos hotéis oferece cancelamento grátis)

–  Compre seu seguro de viagem na Seguros Promo (faz cotação em 10 ótimas seguradoras)

–  Compre seus Ingressos para atrações, excursões e passeios com a Get Your Guide

–  Alugue seu Carro com a RentCars

–  Índice com todos os posts do Viajoteca

Se você fizer sua reserva através dos links aqui da Viajoteca, a gente ganha uma comissão, mas você não paga nada a mais por isso. Essa é uma forma de apoiar a Viajoteca a continuar escrevendo sempre ótimas dicas para você. Obrigada!

3 Comentários
  1. […] Subindo o Monte Kilimanjaro […]

  2. […] e mal sabia eu que ao final dessa viagem estaria apaixonado pelo montanhismo, prosseguindo para o Kilimanjaro na Tanzânia em 2012 e o Elbrus na Rússia em […]

  3. […] como um desafio técnico a ser vencido. Para mim, compartilhar uma refeição com pastores Maasai na Tanzania ou escalar com o guias locais no Cáucaso Russo e conhecer suas estórias são tão importantes […]

Comente Aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.