Nas alturas e nas montanhas com o Rafa Etges

8

Nas alturas e nas montanhas: Entrevista com o Rafa Etges

A segunda entrevista da seção “Viajando com quem Viaja é com o Rafa Etges, pra quem (ainda) não o conhece, ele é nosso correspondente no Viajoteca e sua especialidade são as viagens relacionadas a montanhismo, alpinismo e muita aventura (não necessariamente nessa ordem). Atualmente ele mora em Toronto com a esposa Monique, está sempre fazendo trilhas pela região, trabalha com TI (Tecnologia da Informação) e é um bom tomador de cerveja 🙂

Topo do Kilimanjaro
Rafa no topo do Kilimanjaro, Tanzânia

Conheci o Rafa e a Monique há 10 anos quando eles se mudaram para o Canadá, porém como morávamos distante a amizade não avançou, mas estávamos sempre em contato através dos blogs, social media e essas coisas. Somente em 2012, quando voltei da Australia para o centro de Toronto, nos reencontramos e desde então, eles se tornaram excelentes amigos. Sempre que podíamos saíamos pela cidade para explorar um novo barzinho, um restaurante diferente e bater papo. Sem contar que ele até começou a nos levar (eu e o Kiko) para treinar pelos parques de Ontario!

Enfim, o Rafa é uma pessoa incrível, as viagens que ele faz sempre me deixam com olhos arregalados, especialmente quando ele conta sobre os treinamentos, pra terem uma ideia, ele já dormiu na sacada do seu apartamento uma noite de inverno canadense (a -27C) para treinar para o Aconcagua, e a Monique vire e mexe ia lá ver se ele ainda estava vivo… 🙂

Mas chega de blá blá blá e vamos deixar ele falar…

Dogsledding no Canadá
Dogsledding no Canadá

Entrevista com Rafa Etges

– Rafa, nós sabemos que sua grande paixão são as viagens de montanhismo e alpinismo. Conta pra gente como você começou a praticar esse esporte?

Eu comecei com 17-18 anos no Rio de Janeiro, fazendo as trilhas mais comuns na cidade com amigos e aumentando a intensidade quando queríamos mais desafio. Logo estávamos fazendo travessias pela Serra do Orgãos e no sul de Minas. Éramos um bando de estudantes sem recursos ou técnica, e tudo era com 10% planejamento e 90% “força bruta”, resolvíamos os problemas na medida em que apareciam e isso era parte importante da experiência. Não existia informação na Internet, ninguém tinha GPS, e mapas eram uma raridade. A gente tentava saber mais sobre as trilhas ouvindo outras pessoas falarem a respeito e ia conferir. Comecei a namorar a Monique nessa época e ela entrou na onda de trilhas e acampamentos – teve ocasiões em que fomos para a rodoviária do Rio e somente lá decidimos onde iríamos, pegando o próximo ônibus que saísse para algum lugar interessante. Em seguida o pulo para escalada aconteceu naturalmente, pois muita gente que trilhava também escalava, e a gente já gostava de pedra e lama mesmo…

Kootenay, BC - Canada
Trilhando o Kootenay National Park em BC – Canadá
– Dentre todas as viagens que já fez, qual foi a mais desafiadora e qual a mais especial?

A ultima expedição ao monte Aconcagua foi especial, talvez por ter sido a mais difícil. A altitude foi extrema e pensei seriamente em desistir, principalmente no último dia quando atacamos o cume e eu simplesmente não tinha mais energia, a montanha tinha tirado tudo de mim. Mas também conheci pessoas sensacionais, como os guias Bolivianos que vivem no altiplano Andino e entendem as montanhas com intimidade e respeito. Temos uma grande oportunidade incrível de conhecer culturas locais em lugares remotos durante essas expedições. Mas muitos montanhistas focam toda sua atenção no cume, como um desafio técnico a ser vencido. Para mim, compartilhar uma refeição com pastores Maasai na Tanzania ou escalar com o guias locais no Cáucaso Russo e conhecer suas estórias são tão importantes quanto alcançar o pico dessas montanhas.

 

– Já teve experiência de não chegar ao cume de alguma montanha? Se sim, isso foi relacionada ao condicionamento físico ou adversidades da natureza?

Já tentei chegar ao cume do monte Rainier nos EUA duas vezes sem sucesso. Na primeira tivemos de descer há menos de 300m do cume por causa de uma tempestade de neve que nos deixou sem visibilidade nenhuma no meio da noite, e na segunda vez por conta de uma frente fria que trouxe uma semana de neve e chuva incessantes, gerando o risco de avalanches na parte alta da montanha.

 

Mt. Rainier, Estados Unidos
Mt. Rainier, Estados Unidos
– Pra quem quer começar a praticar essas viagens de montanhismo e alpinismo, qual seu conselho? Como se preparar fisicamente? Qualquer pessoa pode se aventurar?

O montanhismo exige que voce esteja bem preparado física e mentalmente. Isso não significa que voce precisa ser um super-atleta, eu com certeza não sou. Eu sou consultor em TI, trabalho e estudo muito, e meus amigos sabem que gosto de churrasco e cerveja. Mas você precisa treinar 3-4 vezes por semana no mínimo (musculação, e exercícios anaeróbicos como corrida ou natação), aumentando a intensidade perto de uma viagem. Experiência anterior em trilhas e acampamentos vai ajudar bastante. Você precisa ter uma atitude mental flexível e pensar sempre no grupo: não pode entrar em pânico quando a barraca vazar agua durante a noite e tudo ficar molhado, ou o grupo se atrasar em uma trilha durante horas, ou se irritar se alguém esquecer algum equipamento importante e você precisar compartilhar o seu – ou todas essas coisas acontecerem no mesmo dia, como ocorreu comigo… Se essa é a sua personalidade então é melhor ficar longe das montanhas, caso contrario elas vão te dar a melhor experiência da sua vida!

 

– Esse tipo de viagem é possível fazer independente? Ou melhor ir com grupo? Recomenda alguma empresa?

Eu sempre recomendo ir com um grupo, não só por causa do risco mas também porque uma trilha ou montanha são lugares para serem compartilhados. No caso de alta montanha é importantíssimo contar com profissionais que já guiaram naquela montanha anteriormente. Pesquise quem são as outras pessoas participando na expedição também, guias e montanhistas. Particularmente a minha primeira escolha é a Berg Adventures, baseada aqui no Canada. Eu conheço os donos (incluindo uma Brasileira) e os guias, e a experiência sempre foi excelente. Existem outras empresas respeitadas no mercado como a International Mountain Guides (IMG), e a Rainier Mountaineering Inc (RMI), ambas baseadas nos EUA. Fica o conselho de que preço é sempre importante, mas a segurança e o apoio recebidos na montanha precisam vir em primeiro lugar.

 

Treinamento com a IMG para o Denali
Treinamento com a IMG para o Denali, Alasca.
– Sobre os custos das viagens, é muito caro? Você pode nos dar uma ideia? 

Se você pratica trilhas ou montanhismo perto de casa o custo pode ser baixo, apenas o equipamento básico e amigos ou guias locais seriam suficientes. Para viagens internacionais certamente não sai barato: para uma expedição guiada em alta montanha, os custos podem variar entre $1.000 (montanhas nos EUA), passando por $3.000 (vulcões no Equador ou montanhas na Bolivia), $5.000 (Elbrus ou Aconcagua), indo até $40.000 para picos na Antártica ou mesmo $70.000 ou mais para o Everest. Estamos falando de expedições comerciais guiadas por profissionais, com apoio logístico e equipamento de grupo (barracas, comida, equipamento de segurança etc) normalmente inclusos. Passagens aéreas não estão inclusas, nem equipamento pessoal (roupas, saco de dormir, etc). Existem varias empresas e os preços variam com a competição. Nesse caso eu recomendo pesquisar muito e utilizar a melhor empresa que puder encontrar, pois você literalmente vai colocar sua vida nas mãos deles. As empresas mais baratas cortarão custos como comida de qualidade, menos dias para aclimatação na montanha, guias amadores e equipamento inferior.

 

– Já tem data para a próxima aventura? Pra onde vai e qual o ritmo de treinamento?

Alasca em Junho, para escalar o monte McKinley ou “Denali”, que fica próximo das geleiras ao norte de Anchorage. Fisicamente, essa montanha pode ser mais desafiadora que o monte Everest: o montanhista vai carregar mochilas cargueiras enquanto puxa um trenó com 30Kg de equipamento de escalada, incluindo 3 semanas de comida, durante vários dias. Não há sherpas ou animais para ajudar, e o clima ártico faz com que as temperaturas variem entre +40C e -30C, às vezes no mesmo dia. Tempestades de vento e neve são comuns e podem deixar uma expedição presa dentro de barracas durante dias ou semanas. No verão o sol brilha o tempo todo, fazendo com que o organismo entre em um ciclo falso de atividade constante. Acredito que seja o mais próximo que podemos chegar de explorar um outro planeta! O treinamento precisa incluir atividades aeróbicas como corrida ou caminhadas longas, e anaeróbicas como musculação, e a preparação mental também é muito importante. Eu estou treinando 5 dias por semana, com dois dias de descanso para evitar um machucado antes da partida, que seria desastroso!

 

Trilha em Killarney, Ontario
Trilha em Killarney, Ontario, Canadá
– Você sonha em alcançar o Everest? Acredita que a experiência seja realmente incrível, ou já virou muito turística nesse meio de alpinistas?

O Everest, principalmente na sua rota sul pelo Nepal, tem criado muita controvérsia. Por ser o pico mais alto do mundo todo montanhista sonha em escalá-lo um dia, mas as dificuldades e o clima na montanha torna a subida praticamente impossível a não ser durante um curto período no mês de Maio. Nessa época o vento diminui e centenas de pessoas tentam subir os 8.848 metros de rocha, neve e gelo para pisar no cume do planeta. Hoje em dia temos a tecnologia para prever com precisão o dia e hora em que o clima vai estar nas melhores condições possíveis. Como todas as expedições tem acesso à mesma informação todos correm para a montanha, formando os famosos “engarrafamentos”.

Já pensei muito à respeito e apesar de respeitar as pessoas que estiveram lá eu não tenho planos para o Everest por duas razões. Primeiro, Monique me pediu para não ir por causa do risco, e eu respeito o pedido – quando você tem uma família a sua vida passa a não te pertencer mais, mas a eles também. Isso eu aprendi com um guia na Russia que poderia ter alcançado fama mundial por sua habilidade nas montanhas, mas parou de fazer escaladas extremas quando seu filho nasceu. Eu concordo com ele. A segunda razão elimina o problema de vez – eu simplesmente não tenho o dinheiro necessário nem patrocinadores para cobrir os custos dessa viagem! 🙂

 

– Sobre as viagens “normais”, aquelas que a Monique te acompanha, qual foi sua preferida e qual está na lista desse ano?

A minha preferida foi a viagem à Islândia que fizemos em 2013 (e já a descrevi aqui no Viajoteca). “Por acaso” essa viagem teve muitas aventuras, fomos procurar baleias no oceano Norte-Atlantico, a Monique caminhou pela primeira vez com garras nos pés em uma geleira, e visitamos o interior de um vulcão adormecido. Depois do Aconcagua e Denali, eu vou ter de sossegar até o ano que vem – em 2015 quero visitar amigos nos Andes Bolivianos, e estou trabalhando em um “projeto” no Ártico Canadense.
Islândia
Islândia

– Gostaria de adicionar mais alguma coisa a essa entrevista? A palavra é sua Rafa: 

Primeiro, obrigado pela oportunidade de conversar sobre esse assunto aqui. O montanhismo é uma atividade extremamente segura quando feita com respeito e seriedade. Você não precisa ser extremamente forte, ou rico, dependendo de onde mora pode sair de casa e começar a praticar com um custo muito baixo. Como em outros esportes ao ar livre temos tem a chance de limpar a cabeça das “teias de aranha” que a vida cotidiana lá – medos, inseguranças, estresse, frustrações… as montanhas nos ensinam muita coisa sobre nós mesmos, além de permitir visitar lugares e culturas do planeta que nunca conheceríamos de outra forma! Obrigado!

Ping-Pong de Viagem:

1- Alguma viagem a vista? Qual seu próximo destino?

Alasca!

 

2-Quantos países você já visitou?

Menos do que gostaria – acho que uns 15.

 

3-Você coleciona algo dos destinos que conheceu?

Sim, eu “roubo” pedacinhos de rocha de algumas montanhas que visito.

 

4-O que te motiva a escolha do destino de viagem?

O quão remoto e fora do circuito mainstream fica o destino.

 

5-Tirando o país que você mora, qual dos países pelos quais você conheceu que você acredita que se adaptaria para morar? Porque?

Gostaria de morar na Europa, no norte porque gosto de frio e neve, e porque eles tem uma cultura de viagem e conhecer o mundo muito mais forte do que na America do Norte.

 

6-O que você viu de mais marcante na última viagem? Onde foi?

O nascer do sol perto do cume do Monte Aconcagua, com infinitas montanhas ao fundo (Argentina).

Nascer do sol no Aconcagua

7-O que não pode faltar na sua mala?

Meu iPhone, com dezenas de livros, meu GPS, camera, Skype… gadget perfeito para viagens.

 

8- O teletransporte é possível pra você neste exato minuto, e para somente um destino. Para onde você vai?

Assumindo que o teletransporte também me traga de volta – Monte Vinson na Antártica! Mas não gostaria de ficar preso por lá!

 

*** Obrigada você Rafa! ***

* Leia também a entrevista da Ana e do Rodrigo, um casal que viajou por mais de 1000 Dias por toda a América com a Fiona, uma SUV!

 

* Todos os textos e dicas do Rafa Etges aqui no Viajoteca, você encontra nesse link.


Você lembrou do seguro viagem? Ele é um dos itens mais importantes da sua viagem. O seguro viagem é obrigatório em vários países, como Cuba, Jordânia, e principalmente os países da Europa que fazem parte do Tratado de Schengen e que precisa ter uma cobertura mínima de 30 mil Euros. Nos demais países em que ele não é obrigatório também é recomendável a contratação, já que infelizmente não podemos prever acidentes. Nos Estados Unidos, o custo médico diário de uma internação é muito caro (uns U$2.000). Não esquecendo que o seguro é muito útil nos casos de cancelamento de viagem, extravio de bagagem e assistência odontológica. Faça sua cotação para encontrar o seguro que você precisa. Você pode pagar em até 12x no cartão ou ter desconto no boleto. Nossos leitores ainda recebem um desconto de 5% na hora de pagar. Use o código promocional: VIAJOTECA5.

Comparar

CONTINUE PLANEJANDO SUA VIAGEM AQUI :

–  Reserve seu hotel no Booking.com ( sem taxa de reserva e a maioria dos hotéis oferece cancelamento grátis)

–  Compre seu seguro de viagem na Seguros Promo (faz cotação em 10 ótimas seguradoras)

–  Compre seus Ingressos para atrações, excursões e passeios com a Get Your Guide

–  Alugue seu Carro com a RentCars

–  Índice com todos os posts do Viajoteca

Se você fizer sua reserva através dos links aqui da Viajoteca, a gente ganha uma comissão, mas você não paga nada a mais por isso. Essa é uma forma de apoiar a Viajoteca a continuar escrevendo sempre ótimas dicas para você. Obrigada!

8 Comentários
  1. Oscar Risch - MauOscar Blog de Viagens Diz

    Show!!!

    Acho que p Rafa iria adorar a NZ!!

  2. Ana Rachel Diz

    Parabens pela entrevista. Se ganhar na loteria serei a sua patrocinadora!

  3. Renata nagel Etges Diz

    Parabéns Rafa….

  4. Rafa Diz

    Obrigado pelo apoio pessoal!!!

    1. Martinha Andersen Diz

      Nós que agradecemos a sua participação aqui com a gente. 😉
      Seus posts são ótimos e super inspiradores.

  5. Jodrian Freitas Diz

    Ótima entrevista. E é claro que me identifico 100% com este tipo de viagem !!

  6. Carina Diz

    Adorei a entrevista! E que fotos lindas!

  7. […] as fotos abaixo e a foto da capa do post, foram tiradas pelo Rafa Etges, que já foi nosso correspondente aqui no blog e fez essa viagem para Baffin Island em […]

Comente Aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.